Peta defende os animais com campanhas inusitadas

DAVID USBORNE – "THE INDEPENDENT"

Quando três pessoas não-convidadas invadiram a passarela de um desfile da Victoria's Secret, em Nova York, dez dias atrás, atraíram todos os olhares de uma platéia repleta de celebridades que incluía o empresário Donald Trump e a editora Tina Brown. Dava para imaginar o que elas estavam pensando: "Meu Deus, são aquelas pestes da Peta outra vez. Será que não desistem nunca?".

Peta é uma sigla para Pessoas pela Ética no Tratamento de Animais. Com façanhas como essa, ela já se transformou num dos movimentos de protesto mais eficazes no mundo. E também já fez muitos inimigos que o acusam de tudo, desde incentivo ao terrorismo até agir como seita.

Dirigida pela inglesa Ingrid Newkirk e com sede em Norfolk, Virginia (EUA), a organização conseguiu praticamente sozinha, com o trabalho que faz há vários anos, transformar o ato de usar uma roupa de pele num gesto de bravura. Qualquer pessoa do mundo da moda que tenha a menor ligação com o setor de pele vive sob a sombra do medo das bravatas da Peta. Quem duvida só precisa perguntar a Anna Wintour, editora da "Vogue" americana, que teve um guaxinim morto jogado em sua sopa num elegante restaurante de Nova York.

O toque original da Peta, fundada há 22 anos, sempre consistiu em chamar a atenção para sua causa com um misto de travessuras, atos que provocam tumulto e campanhas publicitárias que misturam humor e imagens chocantes. Não faz muito tempo, alguns de seus membros tiraram a roupa diante da Casa Branca e gritaram "prefiro andar nu a usar peles". O slogan virou um mantra da brigada que combate o uso de peles.

Newkirk, 52, calcula que já tenha sido presa quase 50 vezes por suas atividades. Uma vez ela mesma subiu numa passarela em Nova York e atirou cédulas de dinheiro ensanguentadas sobre a platéia. O gesto foi desagradável e provocou muitas reações contrárias. Mas foi precisamente essa a intenção.

A Peta, porém, não é um simples bando de agitadores que agem de improviso. Com cerca de 700 mil integrantes e orçamento anual superior a US$ 30 milhões -gerado com arrecadações de fundos, pagamento de taxas pelos integrantes e vendas de camisetas e produtos-, o escritório da organização em Norfolk ocupa quatro andares e emprega mais de cem funcionários (nenhum dos quais consome ou usa qualquer espécie de produto animal; nada de cintos de couro, nenhuma gota de leite no chá e nada de hambúrguer de carne no almoço).

A organização já é atuante no mundo inteiro. Tem escritórios em Londres, Roma e Bombaim. No mês passado, dois de seus integrantes tiraram a roupa num shopping de Pequim e cobriram sua genitália com faixas que diziam "compaixão é moda; peles estão mortas". Os casacos de pele que a Peta consegue tirar de seus donos são distribuídos entre pobres e sem-teto pelo mundo afora. Um carregamento de casacos de visom e arminho foi enviado recentemente ao Afeganistão.

A organização diz que está engajada na causa de proteger animais de todos os atos de exploração humana desnecessária. Ela aplica pressão implacável sobre as grandes cadeias de lanchonetes e conduz uma operação clandestina de espionagem na comunidade científica que realiza pesquisas com animais, visando a expor suas práticas de laboratório.

Célebre por cunhar frases de efeito, Newkirk, que nasceu no Reino Unido e passou sua infância na Índia, tendo se mudado para os Estados Unidos aos 18 anos, certa vez chegou ao ponto de comparar a criação comercial de frangos ao Holocausto. "Seis milhões de pessoas morreram em campos de concentração", ela disse numa entrevista. "Mas 6 bilhões de frangos morrem todos os anos abatidos em matadouros."

Com as cadeias de fast food, a Peta contabiliza alguns êxitos notáveis. Há dois anos, o grupo começou a entregar ""McLanches Infelizes" a transeuntes diante dos restaurantes McDonald's nos EUA. A versão criada pela Peta para o lanche incluía brinquedos de plástico recobertos de "sangue" e reproduções em cartolina do "filho de Ron", que, num contraste marcante com o personagem Ronald McDonald, um palhaço alegre, era mostrado usando camisa ensanguentada e brandindo uma faca idem.

O McDonald's cedeu à pressão e orientou seus fornecedores de frango a pôr fim à prática de decepar os bicos das aves ainda vivas e a dobrar o tamanho das gaiolas em que os frangos são criados. Pressionados pela Peta, tanto o McDonald's quanto o Burger King -ou "Murder King" (rei do assassinato), como diz o grupo- concordaram em fazer visitas aos matadouros dos quais saem as aves que utilizam em seus restaurantes, para garantir que sejam respeitados padrões mínimos de bem-estar dos animais.

Uma ameaça séria à Peta é um movimento que visa a tirar do grupo sua descrição de organização beneficente, que lhe garante isenção de impostos. A iniciativa é de adversários que afirmam que a Peta favorece o terrorismo doméstico. A alegação se deve em especial a um donativo de US$ 1.500 feito pelo grupo à extremista Frente de Libertação da Terra, acusada por uma série de atos de vandalismo que causaram prejuízos de milhões de dólares. A Peta está longe de ser uma Al Qaeda. Mas sua postura em relação a desobedecer a lei é menos definida. Hoje em dia, porém, ninguém nos EUA pode dar-se ao luxo de ter seu nome associado a terrorismo.

 

 

Please follow and like us: