Marimoon

Para Marimoon não existe só um estilo, só uma opinião, só uma cor de cabelo. Hoje ela é blogueira, VJ, vegetariana, namorada, hype e tem o cabelo rosa. Mas amanhã…Nem ela sabe o que será

 

“Eu tenho muitas Marimoons dentro de mim e são todas eu”

 

Marimoon está em crise. Crise séria. Ela precisa escolher uma imagem, visualmente falando, e mantê-la, ao menos, até o final de 2012. A tarefa nem é das mais difíceis, pensando que a maioria das famosas já faz isto. Mas para Mari o estresse é dos grandes. Desde que começou a blogar, em 2000, Mari já passou por muitos estilos: foi gótica, punk, roqueira, princesinha. Nasceu loira de olhos verdes e assim permaneceu até os 20 anos quando, então, começou a pintar os cabelos. Já teve os fios vermelhos-pequena-sereia, laranja, verdes, azul-claro, azul-celeste, roxos, pink, azul de novo, verde de novo, até chegar ao atual tom rosa-claro pelo menos até o fechamento desta edição. “No ano passado eu pedi pro pessoal no Twitter escolher entre roxo e laranja. Pintei de rosa [risos]. Eu realmente estava a fim de pintar de roxo ou laranja, mas na hora mudei de ideia, sei lá, de repente”, diz.

De repente ela também decidiu que queria estudar desenho industrial, logo que terminou o colégio. Na época, trabalhava na empresa do pai, onde, após um tempo, chegou a fazer projetos para vitrines de estilistas bombados, como Reinaldo Lourenço e Gloria Coelho. Mas como sempre foi da internet, logo se encantou com o mundo da cultura pop e, de repente, teve a ideia de montar um stand em feiras de anime para vender camisetas e toucas de orelhinhas (peças que, inclusive, ela usava durante esta entrevista). “Eu era a loja mais legal que tinha em todos os eventos, todo mundo queria comprar comigo, fazia fila. Então, comecei a querer vender entre os eventos, foi quando criei a loja on-line”, conta. De repente, ela já não trabalhava mais para a empresa do pai. Paralelamente, com a loja virtual e as feiras, começou a fazer figurinos para peças de teatro. E assim veio a vontade de estudar moda, o que ela fez durante três anos. Mas na época, Mari já tinha se tornado uma blogueira famosa e logo veio a proposta da MTV. De repente, lá estava Marimoon: a garota que começou no blog, no fotolog, na empresa do pai, nos eventos de anime e no comércio online agora era também VJ, no antigo Scrap MTV.

Hoje, aos 28 anos, ela, que sempre odiou rótulos, terá de escolher um para estampar os produtos com a sua marca, que pretende lançar no ano que vem. E aí está todo o drama. “Não dá pra chegar em 2012, olhar para o que fiz e falar ‘que m*** isso, não tem nada a ver comigo’. Quero ter algo que eu olhe e fale ‘ah, eu sou assim mesmo’”. Durante esta entrevista de uma hora e meia em nosso estúdio fotográfico, Mari fala sobre ser sempre diferente, mas sempre a mesma.

 

Depois de tanto pensar, você conseguiu decidir qual imagem quer passar?
Eu defini que eu quero uma coisa que tenha um pouco do divertido, e um pé no lúdico, no fofo. Mas é muito importante que não deixe de ter a parte mais adulta, a parte que é hype. Porque senão muita gente vai olhar pra mim e falar ‘sério que você tem 28?’

 

É difícil ter essa necessidade de mudar sempre? De enjoar rápido das coisas?
Não porque eu tenho essa possibilidade de mudar. Se eu estiver a fim, eu mudo, a MTV não fala pra mim que eu não posso mudar as coisas. Se eu disser pra eles que a partir de amanhã vou usar só calças jeans e camiseta, eles não dirão nada. E eu por outro lado tenho a liberdade de me permitir mudar, mesmo que seja de opinião. Muita gente tem orgulho demais para mudar de ideia, só porque já disse outra coisa antes. Eu não sou assim não. Sou superflexível, não gosto de mal-estar.

 

Qual vai ser a sua próxima mudança? A cor do cabelo?
Não sei. Eu penso em mudar, mas aí olho umas fotos e falo ‘nossa, meu cabelo está incrível, né? Acho que não vou mudar não’. Eu gosto de muitas coisas ao mesmo tempo, esse é o meu problema. Gosto de todas as cores de cabelo. Eu não sei a minha cor favorita. Talvez rosa, talvez azul, talvez verde, sabe? Aí começo a entrar em crise porque eu gosto de todas. Você pode pegar as fotos do figurino de uma semana de trabalho e dar uma olhada, cada dia é uma coisa. Eu tenho muitas Marimoons dentro de mim e são todas eu.

 

“Quando eu amo, amo muito. Quando eu choro, choro muito. Quando eu rio, rio muito. Temos que viver a vida. Algumas pessoas têm medo de viver”

Fonte: DM

Please follow and like us: