k.d. lang – cantora vegetariana

k.d. lang no Brasil
Cantora-ativista canadense se apresenta em São Paulo e Rio neste final de semana

Por Thereza Pires

8/10/03


Vegetariana convicta e participante da organização contra o morticínio de animais (PETA), k.d. lang gravou uma campanha nacional contra o consumo de carne bovina cujo slogan era "Meat stinks!"(carne fede!). Os pecuaristas da região onde a cantora nasceu, não satisfeitos com um boicote feroz aos seus discos, picharam a placa da entrada de Consort, onde se lia "Home of k d lang" com as palavras "Eat beef, dike!" (Coma carne, sapatona!).

Kathryn Dawn Lang nasceu em 2 de novembro de 1961 em Edmonton, na província de Alberta, no Canadá. A família, muito musical, mudou-se para Consort nove meses depois. Aos cinco anos, Kathryn já cantava em festas escolares e em casamentos.

Aos 18, deixando de lado seus talentos nos esportes (foi patinadora) entrou para o Red Deer College, com o objetivo de estudar música durante dois anos. Ali descobriu o movimento punk e a arte performática e participou do GOYA (Group of Young Artists).

O interesse pela música country só se desenvolveu depois que participou de um coral colegial: o Country Chorale.

Miss Kathy Dawn se torna k.d.lang
O agente Larry Wanagas, que conheceu Kathy em Edmonton em um teste para crooner de orquestra, encantou-se com sua voz e sugeriu a criação de sua própria banda. Assim, Katrhyn passou a ser acompanhada dos "Reclines", uma homenagem a Patsy Cline (a cantora country morta em acidente aéreo em 3 de Marco de 1963), por quem era obcecada.

Para ser apenas "um nome genérico, não uma sexualidade", passou a exigir que seu nome fosse sempre grafado de forma abreviada e todo em letras minúsculas.

A cantora e seu grupo gravaram os primeiros trabalhos em "A Truly Western Experience" e k.d. criou "Angel With A Lariat" . O sucesso foi imediato. Ganhou seu primeiro Grammy (como melhor cantora de country) pela hoje clássica Absolute Torch and Twang e cantou na cerimônia de encerramento das Olimpíadas de Inverno de 1988, em Melbourne.

Versátil, dividiu o microfone com Elton John, Andy Bell (do Erasure), George Michael e Tony Bennet. Solidária, participou, com Paul Mc Cartney, de vários espetáculos para angariar fundos destinados à pesquisa da AIDS e sua presença é sempre notada em demonstrações a favor dos direitos de homossexuais.

Saindo do armário
k.d. lang logo assumiu sua homossexualidade em depoimentos (destaque para a famosa entrevista de capa no magazine "The Advocate", em 1992) e nas letras de suas canções. Passou a usar roupas masculinas e a cortar o cabelo com máquina 1 no começo dos anos 90.

Quanto mais era incensada pela crítica, a despeito desta excentricidade ao se vestir, menos o conservador público do mundinho country a aceitava.

k.d. deu a volta por cima, assinando a trilha sonora do filme de Gus Van Sant, Até as Vaqueiras Ficam Tristes (Even Cowgirls Get The Blues) , intensificando a militância na PETA, no Greenpeace e no Friends of the Earth e protagonizando a película Salmonbeer.

Em 1992, lançou "Ingenue"', cuja faixa "Constant Craving" se tornou sua marca registrada. Foi seu maior sucesso comercial, tendo recebido dois discos de platina e mais um Grammy. Premiada várias vezes como melhor cantora nas listas da Rolling Stones, recebeu, na Inglaterra, o Brit Award.

O último trabalho de k.d. Live by Request, de 2001, traz uma seleção de músicas de quase todos os CD's, inclusive Constant Craving.

k.d. : "uma crooner de jazz"
Numa entrevista para a imprensa brasileira, questionada sobre a afinidade com Elvis (cuja ligação com o country era muito marcante em sua fase inicial), respondeu que hoje se situa num patamar próximo do jazz. E que recebe grande influência da música brasileira, de Tom e João Gilberto a Carlinhos Brown. "Canto baladas e gravito em torno do jazz. O rock proporciona um grande leque de possibilidades para os cantores, mas eu me sinto de fato uma crooner de jazz".

k.d. TOM e TIM
No próximo dia 30 de outubro, acompanhada de seu quarteto – teclados, guitarra, baixo e bateria – k.d. estará dando um brilho na programação do TIM Festival (Rio). Tem também show agendado para o Tom Brasil, em São Paulo, no dia 1.º de novembro (ingressos: 5644 9800).

 

 

 

Fonte: MixBrasil

Please follow and like us: