Jovens vegetarianos precisam ficar de olho no que colocam no prato

LAURA CAPRIGLIONE
DE SÃO PAULO
FERNANDA MENA
EDITORA DO FOLHATEEN

"Meus pais comem muita carne. Minha mãe comprava galinha e matava em casa. Aquilo mexia comigo. Um dia, fui visitar familiares no Nordeste e eles mataram um porco a marretadas! Como tinham coragem de marretar a cabeça de um bicho que era quase de estimação? Ali eu parei." Foi assim que Rodolfo Duarte, 23, gerente de restaurante em São Paulo, riscou as carnes do seu cardápio.

Mesmo sem presenciar um abate, a estudante Laura Viana, 17, chegou à mesma conclusão. "Comecei a achar que, com tantas opções de alimentos, não era necessário criar animais com o único objetivo de comê-los."

Enfrentando os preconceitos que ainda existem contra vegetarianos (seriam hippies tardios, fracotes) e a pressão dos pais (meu filho vai ficar anêmico?), um grupo crescente de jovens tem optado por não comer animais, movidos mais por questões éticas e ambientais do que de saúde.

  Carlos Cecconello/Folhapress  
SÃO PAULO, SP, BRASIL, 24-02-2011, 21h00: Os jovens vegetarianos Iran Pereira, 21, Athos Machado, 20 e Rodolfo Duarte, 23. Sobre jovens que não comem animais e nem derivados dos mesmos. (Foto: Carlos Cecconello/Folhapress,FOLHATEEN)
Da esquerda para a direita, Iran, Athos e Rodolfo têm uma banda de hardcore vegana

Pesquisa da Escola Superior de Propaganda e Marketing no final de 2010 contabilizou 4% de vegetarianos entre jovens de São Paulo e Rio, das classes A, B e C. Nos EUA, um em cada cinco universitários já aboliu a carne.

Segundo Johathan Safran Foer, autor de "Comer Animais", "virou um fenômeno político. Quando eles se tornarem jornalistas e políticos, o ponto de vista sobre a questão da carne vai mudar completamente", diz.

É nas redes sociais, em eventos como a Verdurada (festival de música com comidinhas sem carne), ou na base da curiosidade que os novos vegetarianos se viram.

A estudante Ana Carvalho, 15, parou de comer carne há três anos e começou a se encher de pão e doces. No fim de 2009, estava anêmica.

Foi um drama. A mãe queria porque queria que ela parasse com aquela história. E Ana concordou em voltar aos bifes. "Só por seis meses." Assim que o sangue voltou ao normal, ela -de novo- aboliu a carne.

  Eduardo Anizelli/Folhapress  
SÃO PAULO, SP, BRASIL, 24-02-2011, 18h20: Retrato de Rodolfo, estudante que é vegetariano e vende salgadinhos vegetarianos durante protesto, na frente do Tetro Municipal, no centro de São Paulo. (Foto: Eduardo Anizelli/Folhapress, FOLHATEEN)
Rodolfo vende salgados sem ingredientes de origem animal

"Agora, sigo a dieta indicada por uma médica, com soja, beterraba, cenoura e verduras. Estou ótima", diz.

Segundo o nutrólogo e hebiatra Mauro Fisberg, docente da Universidade Federal de São Paulo, "aprender com os amigos não basta; é importante procurar a ajuda de um médico ou nutricionista para uma dieta equilibrada".

"Quando parei de comer carne, parecia que eu é que era a aberração", diz Thiago Vasconcelos, 18. Nem a mãe dispunha-se a cozinhar para ele. "Eu já sabia cozinhar de forma péssima. Aí, tive de melhorar para ruim."

Muitos vegetarianos são obrigados a aprender a cozinhar, já que ainda há poucas opções nos restaurantes.

Mas conforme tornam-se mais importantes na demografia, grandes indústrias passam a cobiçar o novo mercado. A Perdigão, por exemplo, já oferece produtos como salsicha e hambúrguer de soja. Outras empresas vêm com quibes e linguiças vegetais, bife de glúten e até os inacreditáveis glutadela (mortadela de glúten) e tofupiry (requeijão de tofu).

Já que essa geração de vegetarianos tem mais problemas com os maus-tratos da indústria do abate e seu ônus para o planeta do que com o gosto da carne em si, dá-lhe imitação. "Adoro os industrializados", diz Iran Pereira, 21, da banda Still Strong. É um vegetarianismo muito além das abobrinhas.

  Editoria de Arte/Folhapress  
arte - abatedores de animais
Fonte: Folhateen

 

Please follow and like us: