Brasil exporta carne à custa de trabalho escravo?

Em 1995, o Brasil assumiu , perante a Organização das Nações Unidas (ONU), a ocorrência de formas contemporâneas de TRABALHO ESCRAVO em seu território. Entretanto, não é só o Brasil que apresenta a ESCRAVIDÃO MODERNA , como mais um flagelo da Humanidade. As instituições Internacionias que estudam o assunto estimam em mais de 27 milhões o número de pessoas escravizadas ou reduzidas à condição análoga à escravidão no Mundo. Em todos os continentes , mulheres e crianças são capturadas e exploradas como escravas. Essas mesmas instituições consideram que o número de escravizados hoje corresponde a mais que o dobro do número alcançado nos 400 anos da história do tráfico transatlântico com a América.

O tráfico de seres humanos é , depois das drogas e das armas , a terceira fonte de lucros da criminalidade. Todos os grupos étnicos são vítimas , mas a preferência repousa sobre as crianças ( tráfico de órgãos) e mulheres (prostituição).

Em relação ao nosso País, estima-se que cerca de 25 mil brasileiros ingressam no abominável mundo do trabalho escravo por ano , sem perspectiva de saída. Uma modalidade bem comum no Brasil é o mecanismo de SERVIDÃO POR DÍVIDA. Nela, ocorrem degradantes condições de trabalho e de moradia, além de privação de liberdade. A grande fonte de recrutamento fácil são os bolsões de miséria extrema no País, que não oferece nenhuma alternativa de emprego e renda. Aí se encontra mão de obra barata e pouco qualificada. Milhares de pessoas, em razão da pobreza, migram , a cada ano, do Nordeste e do Norte para as fazendas do Sudeste, do Sul e do Centro Oeste , em busca de oportunidades de trabalho, deixando para trás suas famílias , iludidas pelas promessas mentirosas de emprego e de melhores dias. O aliciamento é fácil nesse campo fértil e frágil ,sendo explorado por empresas de turismo de fachada que não passam de transportadoras clandestinas de trabalhadores.

Chegando às fazendas, vão trabalhar em corte de cana , no desmatamento de áreas para implantação de pastos , na colheita de algodão, de café e de frutas ou em minas de carvão.Todas as atividades em condições subumanas.A partir daí, percebem que foram iludidos. Ficam alojados em barracões de lona preta e chão batido, sem nenhuma proteção contra insetos, chuvas, cobras etc. Cobram-lhes a estada, a comida de péssima qualidade , a bebida e os equipamentos de proteção individual.Tudo isso é adquirido pelos trabalhadores nas cantinas das próprias fazendas. Os empregadores (exploradores) anotam o que é comprado e atribuem valores inflacionados.No final do mês, os trabalhadores( escravos ) acumularam dívidas com seus patrões de modo que ficam prisioneiros desses compromissos financeiros.

Diferentemente do que aconteceu com a escravidão antiga, cujas maiores vítimas eram os negros , hoje , além dos negros, brancos, pardos, amarelos , descendentes de europeus , mulheres e crianças sofrem nas lavouras de todo o País. Os empregadores que utilizam mão de obra escrava são , quase sempre, grandes latifundiários , alguns deputados federais e estaduais, senadores e ,por mais paradoxal que possa parecer, até membros do Judiciário . Para nossa tristeza , é a mão de obra escrava a grande responsável pela posição do Brasil como maior produtor e exportador de carne bovina no Mundo.

Fonte: Nosso Bairro

Please follow and like us: