26 Jovens semeiam Terra Solidária

Alguns anos antes da fundação da Fetraf-Sul/CUT, no final da década de 1990, já havia iniciado o programa de formação Terra Solidária. O nome é um achado: “Terra Solidária”! Poderia ser um sinônimo para Wervel: grupo de trabalho por uma agricultura justa e responsável. Solidariedade e ecologia, o que também é defendido por “Mundo B”, em Bruxelas (1).

Sinergia

Em linha com essa tradição de Terra Solidária, agora está sendo criado um conjunto multiplicador interessante, com 5 mil jovens dos três estados da Região Sul.

Bem no dia em que cheguei a Chapecó, ocorria um encontro animado dos organizadores e professores do novo projeto. Trata-se de uma sinergia entre o Ministério do Desenvolvimento Agrário, a Fetraf-Sul/CUT, a recentemente criada Universidade Federal Fronteira Sul (UFFS) e o Sebrae (2): Curso Juventude Semeando Terra Solidária.

 

Além do rico conteúdo dos 12 módulos, o principal item inovador é o acionamento dos jovens. Eles são capacitados para multiplicar o conhecimento adquiridos para suas bases. O curso terá início em abril de 2013, com duração de um ano e meio. Foram encontrados 120 jovens – 40 de cada estado – dispostos a percorrer esse trajeto e a incluir outras pessoas na formação. Nos intervalos entre os dias de curso, eles mesmos repassarão o conhecimento adquirido nos municípios de suas regiões. Para frequentar o curso e auxiliar na capacitação, os 120 jovens recebem dos sindicatos locais um salário mínimo.

Os objetivos desse empreendimento?

Durante o último congresso, ouvimos muitas vezes que uma das grandes preocupações atualmente é o êxodo rural, no qual especialmente os jovens partem para as cidades. Resultado: intensa falta de sucessores e a anteriormente dinâmica vida rural que ameaça deixar de existir.

 

O curso gira em torno de três eixos:

·                     agricultura familiar e campesinato;

·                     organização social – associações e trabalho sindical;

·                     sociedade e Estado.

 

Objetivo geral: ampliação dos locais de capacitação e organização dos jovens da Agricultura Familiar, com base na afirmação e na valorização da vida rural, com a intenção de garantir a permanência no campo por meio de renda, educação e qualidade de vida.

 

Mais especificamente:

·                     incentivar a permanência de jovens no campo, envolvendo-os nas “políticas públicas”;

·                     formar novas lideranças nos sindicatos e para as organizações econômicas da Agricultura Familiar;

·                     estimular a inclusão dos jovens no mundo digital, para que possam ajustar melhor seu empreendimento às possibilidades digitais;

·                     criar oportunidades para conduzir seu próprio empreendimento por meio de um método de gerenciamento de unidades de produção familiar, que vise à sustentabilidade, à diversificação e à adoção de tecnologia apropriada;

·                     promover espaços de geração de renda, explorando diversas alternativas.

Universidade e campo se encontram

Um parceiro importante em todo o processo é a nova universidade UFFS. Ela é o resultado de uma longa luta das organizações populares para a implantação de uma universidade no Sul do Brasil, onde até alguns anos atrás não havia oportunidade de educação (3).

 

Em ambos os lados do oceano, o solo foi compactado por máquinas pesadas. A agricultura de exportação baseada em agroquímica empobreceu ainda mais o solo.

Deixem esses jovens revirar a terra petrificada e trabalhá-la com as mãos. Aos poucos, eles serão capazes de recriar uma Terra Solidária. Muitas vezes, onde parece impossível. Mas essa perseverança eles aprenderam de seus pais.

Ou será que eles vão esperar inutilmente por um sucessor?

 

Chapecó, 27 de março de 2013.

(1) “Mundo B” (www.mundo-b.org): um escritório internacional em Bruxelas, com uma sinergia de 40 organizações (principalmente) europeias, com 400 colaboradores. Wervel (www.wervel.be) está sediada neste edifício.

(2) Ministério do Desenvolvimento Agrário – MDA (www.mda.gov.br), Universidade Federal da Fronteira Sul – UFFS (www.uffs.edu.br), Fetraf-Sul/CUT (www.fetrafsul.org.br) e Serviço de apoio às micro e pequenas empresas – Sebrae (www.sebrae.com.br).

(3) Veja: Uma universidade de e para os movimentos sociais, em Legal! Otimismo – Realidade – Esperança (Curitiba: Gráfica Popular/Cefuria, 2012).

Please follow and like us: